“Sou piloto”, mas o carro é do papai

narguile

Mara Rovida*

Mara Rovida é jornalista, doutoranda no PPGCOM da ECA-USP e membro do Grupo de Pesquisa do CNPQ Comunicação e Sociedade do Espetáculo

Mara Rovida é jornalista, doutoranda no PPGCOM da ECA-USP e membro do Grupo de Pesquisa do CNPQ Comunicação e Sociedade do Espetáculo

Cruza. Acelera. Freia. Corta. Costura. Passa raspando. Muda de faixa. Vai para direita. Volta para esquerda. Pega um pedaço de acostamento. Causa perturbação por onde passa. Testa a sorte de cada dia. Diverte-se com os limites. Conduz no fio da navalha.

Quem se aproxima sente arrepios com o barulho ensurdecedor que mais parece um teste – de potência do sistema de som ou do aparelho auditivo de seus ocupantes. O carro é sisudo, um sedã importado, sem xênon, tunagem de qualquer espécie, nem rodas extravagantes, mas os ocupantes ressignificam a caranga emprestada.

Durante a semana, o carro é interdito para o jovem da casa. Serve de meio de transporte para o pai, verdadeiro dono do veículo. Mas, no sábado à noite, o papai libera a chave. A molecada se anima, a chegada na balada de hoje vai ser top.

Todos prontos para o início das festividades; cabelos devidamente espetados, perfumes importados, roupas de grife, narguilé e seus apetrechos preparados, dinheiro na carteira, espinhas disfarçadas, vamos onde está a mulherada!

No caminho, os pneus vão se gastando numa proporção improvável para o curto trajeto. As barbeiragens não resultam em acidente, sabe se lá como. Sorte? Talvez. Mas é possível garantir que um encontro repentino com o azar não aconteça na próxima esquina?

Costurando. Sorrindo. Esquentando no caminho. Goles. Baforadas. Empolgação.

O ritual é repetido religiosamente aos sábados (às vezes, às sextas-feiras também). Ao chegar na balada, uma cantada de pneus mais caprichada. A fumaça se esparrama pela rua. Abafamos!

Entrada garantida no recinto nebuloso, esfumaçado (artificialmente, graças à lei antifumo), barulhento e escuro. Desce uma garrafa de vodka e muito energético, ordenam logo de cara. Entre goladas geladas e sorrisos plastificados, alguém sugere, uma dose de Bourbon. O copo chega e acaba, impreterivelmente, misturado ao energético adocicado.

Num olhar atento, de sujeito crítico, a sentença, garotos bobos, não sabem dirigir, não sabem se divertir, não sabem beber. Quem estragaria um destilado cuidadosa e demoradamente envelhecido com essa porcaria de energético?

Ao menos com a lei seca, o piloto da vez fica só no energético. Teria a glicose poder de alterar os reflexos do rapazote? Pelo sim pelo não, quando um sedã sisudo passar costurando, no sábado à noite, melhor manter distância, afinal nunca se sabe quando acaba a sorte de um “piloto” de fim de semana.

 

* Mara Rovida é jornalista, doutoranda no PPGCOM da ECA-USP e membro do Grupo de Pesquisa do CNPQ Comunicação e Sociedade do Espetáculo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s